Restaurante japonês em São Paulo deixou de ser modismo há muito tempo e hoje divide o protagonismo gastronômico da cidade com outras cozinhas. São muitas as opções: de rodízios aos tradicionais, até aos mais sofisticados. A lista de casas deliciosas é extensa, masqual restaurante japonês ir? Listo os restaurantes japoneses que considero imperdíveis em São Paulo. E frequento quase semanalmente, afinal, só assim para saber se os peixes continuam fresquinhos e se os restaurantes mantém qualidade. Além disso, um bom sushi sempre cai bem, não?

Kinoshita

O balcão do Kinoshita, na Vila Nova Conceição, é pilotado por Tsuyoshi Murakami, que não por acaso é um dos mais premiados chefs japoneses do Brasil. De origem de Hokkaido, no Japão, Murakami tem na gastronomia seu estilo de vida, onde busca unir arte, cultura e música. Não raro é possível ouvir suas cantorias, com o seu bom humor e atenção inigualáveis entre as mesas da casa do restauranter Marcelo Fernandes. Com uma estrela no guia Michelin, se dedica à Kappo Cuisine, uma união da alta gastronomia tradicional japonesa com a ousadia vinda de grandes chefs, técnica muito vista no Japão (como é o caso do Sawada, leia mais aqui). Tem dois tipos de menu degustação, de sete ou nove tempos, com sobremesa inclusa (R$ 300 e 360, respectivamente) para quem quiser experimentar as delícias sugeridas diretamente das mãos do chef.

kinoshita

Com uma estrela no guia Michelin, se dedica à Kappo Cuisine, uma união da alta gastronomia tradicional japonesa com a ousadia vinda de grandes chefs, técnica muito vista no Japão (como é o caso do Sawada, leia mais aqui). Tem dois tipos de menu degustação, de sete ou nove tempos, com sobremesa inclusa (R$ 300 e 360, respectivamente) para quem quiser experimentar as delícias sugeridas diretamente das mãos do chef.

Kinoshita Moti

Entre os meus preferidos, o Salmon Butter, salmão selado com molho cítrico da casa (R$ 52), e o Shake Crispy (R$ 46), salmão com tempurá e molho de shoyu especial da casa. De sobremesa, o melhor moti (doce de feijão – R$ 33) que  já comi: aqui vem recheado de chocolate Valrhona e acompanha sorbet de café.

Rua Jacques Félix, 405 – Vila Nova Conceição – Tel: (11) 3846-7327

Dô Culinária Japonesa

O restaurante Dô dá um show de criatividade na culinária japonesa tradicional. É reconhecido pelos ingredientes de alta qualidade, que vão desde os nacionais siris de casca mole e ouriço às importadas vieiras e salmão selvagem do Alasca. Possui duas unidades, em Pinheiros e nos Jardins, em ambientes aconchegantes e com decoração contemporânea.

Do culinaria japonesa

De entrada, a folha de shissô com tartar de atum e ovas é uma delícia. Vale pedir também o Oshizushi, arroz prensado com barriga e ovas de salmão, limão siciliano e azeite trufado. Dos sushis, peça um combinado especial com delícias como o salmão selvagem do Alasca, que une vierias com flor de sal e azeite, agulhão marinado e foie gras com atum. O Dô já figurava na nossa lista do roteiro gastronômico do Baixo Pinheiros.

do japones

Rua Padre Carvalho, 224 – Pinheiros – Tel: (11) 3816-3958

Rua Padre João Manuel, 879 – Jardins – Tel: (11) 3061-2835

Niaya

O Niaya, mais novo restaurante japonês de São Paulo, já merece estar na lista. E olha que fomos conferir em três visitas para assegurar a indicação. Ele é muito mais que a segunda casa de Juraci Pereira (leia-se o tradicional Aya), tem um menu autoral pilotado pelo sushiman Claudio Cicinati, de onde só saem acertos.

Niaya centolla vieiras

Entre eles, o Tamago Furai (R$ 29), ovo à milanesa recheado com ovas de salmão e sal trufado ou o carpaccio de vieiras (R$35) ou o tartare de vieiras com centola (foto – R$38). Tem matéria fresquinha do Niaya aqui.

Rua Joaquim Antunes, 224 – Pinheiros – Tel: (11) 3081-2420

Nagayama

Tradicional sushi de São Paulo, desde 1988 ocupa o posto de queridinho, além de também manter a qualidade, com uma combinação de muita gente bonita, o que o mantém no topo de badalação. Hoje, são quatro casas, sempre lotadas: o Nagayama Itaim, Nagayama Jardins, o Naga e o Nagayama Café. O primeiro foi o do Itaim, que tem decoração inspiradas nas casas da Liberdade e, para mim, é a melhor entre os quatro. O Naga, na esquina, tem clima de balada, décor inspirada nos antigos cafés de Santa Mônica (Califórnia), com som alto e muita animação: perfeito para jantar com amigos.

nagayama

Entre as invenções que deixou o Nagayama famoso, o baterá – arroz prensado com salmão, massago (ovas) e tabasco (R$ 56) – ou o Negaritoro maki Nagayama – enrolado com alga marinha, arroz japonês e atum gordo (preço do dia).

Itaim: Rua Bandeira Paulista 369 – Tel: (11) 3079-7553

Jardins: Rua da Consolação 3397 – Tel: (11) 3064-0110

Ohka

Comandado por dois ex-Nagayama, o Ohka veio para agradar o paladar de quem não apenas se importa com o ambiente, mas que também exige bom custo-benefício. Instalado no bairro do Itaim, o restaurante tem ambiente aconchegante, luz baixa e as cores vermelha e preto predominantes na decoração, o que proporciona um clima mais intimista.

Ohka

A cozinha do restaurante segue a tradicional japonesa, sem muitas invencionices. E há uma boa oferta de peixes frescos e frutos do mar servidos servidos em duplas de sushi. Se for temporada, peça a Centolla, um caranguejo gigante dos mares do Chile, servidos em poucos restaurantes da cidade.

Rua Prof. Carlos de Carvalho, 105 – Itaim – Tel: (11) 3078-3979

Fotos: Divulgação e Daniela Filomeno

Posts relacionados