Se tem uma coisa bacana no começo do ano para travelholics como eu é olhar a lista de viagens realizadas e planejar as novas. Montei uma retrospectiva das minhas viagens de 2016 e o que mais valeu a pena em cada país. Confira! 

Austrália

A Austrália teve colonização inglesa, mas tem alma brasileira. Praias, montanhas, cidades, gastronomia, deserto, arte… o país é tão múltiplo e encantador que certamente fará a visita já pensando em voltar. Desta vez fui para: Sydney, onde tem um delicioso mix de metrópole e praias, Melbourne, que pode ser chamada de capital cultural do país, afinal a cidade respira arte, e Grande Barreira de Corais, que são mais de 2,6 mil ilhas de corais ao longo dos 2,5 mil km de extensão da maior barreira de corais do mundo. 

Entre as centenas de ilhas da Grande Barreira de Corais Australiana está Orpheu Island, um parque nacional, uma das poucas ilhas que tem um resort exclusivo. Matéria completa aqui.

No The Rocks com vista para a Opera House

Nova Zelândia 

Escolher entre ilha Norte ou ilha Sul da Nova Zelândia? A Norte é mais plana, de origem vulcânica, concentra as cidades mais importantes, como Auckland e a capital Wellington. Agora, a ilha Sul, que não conhecia, tem definitivamente as paisagens mais lindas. São diversos lagos, glaciais, picos, montanhas, que formaram cenários dignos de filmes. 

Mais alto bungee jump “touch the water” do mundo. Óbvio que comigo foi até a canela, né?

Cidades imperdíveis: Queenstown, capital mundial dos esportes radicais, conhecida pelos bungee jumps em cenários espetaculares. Destaque para o Fiordland National Park, onde foram filmados O Senhor dos Anéis e Avatar, e para Gibbston Valley, rota do vinhos neozelandeses, ambos perto de Queenstown. Taupo, também repleta de esportes radicais, circunda o Lake Taupo. É um dos lugares mais incríveis para saltar de Sky Dive (salto de paraquedas), com vista para o lago e para os vulcões adormecidos.

Piquenique no topo de uma das montanhas dos Fiordes, um dos mais incríveis passeios que já fiz

Uma dica é se hospedar no Huka Lodge, um dos lugares mais bacanas que já fiquei, e muito perto das famosas Huka Falls. Rotorua foi construída em cima de uma cratera de vulcão – são vários na região – e é possível ver vapor saindo de seus bueiros e do solo, em várias partes da cidade. O que visitar por lá: White Water Rafting com a maior queda (comercial) do mundo, vilas dos nativos Maoris e seus parques geotermais, com atividade vulcânica, lagoa de cores inusitadas (pela sua composição) e gêiseres. 


POLINÉSIA FRANCESA 

Já visitei algumas ilhas da Polinésia Francesa, como Bora Bora e Tetiaroa, que são incríveis. Este ano visitamos Taha’a, mais precisamente uma pequena ilha ao lado que abriga um resort incrível. O Le Taha’a Island Resort tem os tão sonhados bangalôs overwater. Os demais são quartos de frente para o mar, com pé na areia. O resort é sofisticado, mas sem luxos excessivos, afinal, é uma praia. Detalhes!


ITÁLIA 

País que gostaria de voltar todos os anos. Em 2016 voltei à più bella Roma, estive na chique e gastronômica Milão, na charmosa Orvieto e Montalcino – e seus vinhos, onde descobri um fantástico hotel em um castelo. Também conheci a região de Chianti e suas charmosas cidadezinhas e deliciosos vinhos (não deixe de visitar a adega Antinori nel Chianti Classico e almoçar na Badia di Passignano); a terra da Ferrari Maranello e a medieval Monterrigioni, na Toscana. Destaque para Polignano Al Mare, na Puglia, onde risquei da lista o restaurante Grotta Palazzese, que fica em uma impressionante caverna; e o espetacular Lago de Como e suas pequenas cidades ao redor. O vilarejo de Bellagio, com suas charmosas ruelas, é encantador!

✔️Mais um Bucked List: restaurante Grotta Palazzese em Polignano Al Mari, na Puglia

SUÍÇA / LUGANO

Na divisa da Itália e Suíça está Lugano, que absorveu costumes do seu país vizinho. Nem só de lindas paisagens e passeios pelo Lago di Lugano ou um charmoso centro histórico valem a ida até Lugano, a Suíça italiana. Vale também para um excepcional almoço no restaurante do hotel Villa Principe Leopoldo, um charmoso Relais Chateaux.


RÚSSIA

No topo dos países mais interessante que conheci em 2016, a Rússia é rica em história, cultura e gastronomia. Cada monumento, cada rua, cada prédio conta a história política mundial.  Desde os palacetes dos czares até as construções da União Soviética são absolutamente fascinantes. E que cultura! Agora quero voltar no inverno. Escrevi uma matéria (aqui) sobre tudo o que você precisa saber antes de visitar a Rússia. 

Moscou – Kremlin, Praça Vermelha, Igreja São Basílio, Mausoléu de Lenin, heranças Stalinistas e da União Soviética… são tantas coisas para ver em Moscou que é difícil aproveitar tudo em uma única visita. A cidade tem um charme característico nas construções com muitos detalhes grandiosos e na decoração, com muito dourado e cores – um tanto exagerados para nossos parâmetros, mas impressionantes. E dá até para visitar um bunker soviético (matéria aqui), ponto alto da viagem.

Praça Vermelha em Moscou, Rússia

St. Petesburgo – Idealizada por Pedro, o Grande, a cidade é uma tradução de sua paixão pela Europa, tanto que trouxe artistas e arquitetos para sua construção. Com prédios suntuosos e muitos monumentos, a chamada Veneza do Norte, pelos canais que cortam a cidade, ou capital cultural da Rússia, encanta por sua beleza e elegância. É uma das mais fantásticas cidades que já visitei, assim como Moscou. Saiba mais!

✔️ Bucked List! Um dos lugares que queria muito conhecer no mundo- a Igreja do Sangue Derramado, em St. Petersburgo, na Rússia

Peterhof – A uma hora de St. Petersburgo, Peterhof era residência de campo do imperador Pedro I, o Grande. Usado por suas gerações seguintes, o Palácio Grande foi construído pela sua filha, Isabel. Palacetes, casas, em um enorme complexo, cercado de  lindos jardins.

Pushkin – O palácio de verão dos Czares, o Catherine Palace, em Pushkin, é impressionante! Para ter uma ideia da grandeza, a sala de recepção tem “apenas” 480kg de ouro em sua decoração.


REPÚBLICA CHECA / PRAGA

Praga é uma “cidade velha” na alma, ou seja, respira história, entrelaçada por guerras, revoluções, ocupações e transformações políticas. É belíssima e românica. Quem for, não pode deixar de agendar uma visita na Biblioteca do Mosteiro Strahov, a mais linda que já vi. Aqui, alguns hotspots meus lá.


EUA

NY – Nova Iorque é um dos meus lugares preferidos para explorar a gastronomia – lá parece infinita! Este ano, fui finalmente almoçar dentro do Central Park no The Loeb Boathouse, que foi todo reformado, voltei a muitos restaurantes queridinhos e conheci novos. Mercadões, street food, novos museus, muita coisa para se fazer lá, sempre. Aqui uma série de matérias por lá.

Miami – Amo esta cidade e passo por aqui a cada viagem que permite. As novidades que vi este ano? Um novo bairro apareceu, o Sunset Harbour, e restaurantes fresquinhos que valem a visita. Ah, fizemos um guia de viagem de lá que está disponível para download gratuito aqui.

Nas paredes de Wynwood

Los Angeles – A também chamada Cidade dos Anjos tem uma infinidade de lugares para visitar – a maioria só acessados de carros, pois a cidade é muito grande e bem espalhada. Hollywood, Beverly Hills, as praias Venice Beach, Santa Monica, Malibu…. Uma semana é pouco para desvendar todos seus cantos, curtir suas atividades e paisagens e degustar sua gastronomia. Listei os meus hotspots que valem entrar na sua lista.

Chicago – Cosmopolita, a cidade tem um charme todo especial com barcos atravessando pelos seus canais, arranha-céus modernos contrastando com prédios históricos e o Lago Michigan ao fundo. Destaque para o Cloud Gate (o “feijão”), de Anish Kapoor, no Millenium Park, que reflete o skyline da linda cidade e permite interação, como observar seus reflexos. Vale ficar no The Península Chicago, super bem localizado e com uma infraestrutura e serviço impecáveis.

Atlanta – Capital da Geórgia, Atlanta concentra muitas empresas. Entre elas, o Headquarter da CNN e World of Coca-Coca, onde é possível visitar. Também tem diversas atrações culturais, o High Museum of Art, o Fox Theatre e o Center for Civil and Human Rights (Centro para os Direitos Civis e os Direitos Humanos). Ampla e bem projetada, a cidade é linda e muito limpa, parece uma maquete.


ESPANHA

Voltei este ano rapidamente em Madri, onde vi a culinária despontar, como o japonês Kabuki, em Salamanca, o tradicional Viridiana ou o restaurante do momento, o Ten con Ten.

Ibiza – Para quem pensa que a ilha de Ibiza, na Espanha, é só feita de baladas, está deixando de conhecer uma das mais internacionais, animadas e saborosas gastronomias. Suas praias são paradisíacas, com um mar turquesa transparente e repletas de animados Beach Clubs, afinal, estamos em Ibiza. Várias matérias de lá aqui.

Em Formentera, nas Islas Baleares, Espanha

Formentera – tem uma grande extensão de praias, com mar de água transparente e areia branca. Parque Nacional Protegido pela Unesco, suas praias são consideradas as mais belas e protegidas praias do Mediterrâneo.

BRASIL

Antes de qualquer coisa, sim, o Brasil este ano ficou quase completamente fora do meu roteiro por um (bom) motivo simples: minha gravidez. Com o surto do Zika Vírus, fui aconselhada a cortar uma série de destinos na América Central e no Brasil. Este ano fui conhecer a Península de Maraú, na Bahia, e estive em lugares que amo, como Angra dos Reis.

Posts relacionados