Luxo para as novas gerações não é ostentar, mas empregar bem seu dinheiro. Com tradição aliada a um olhar no futuro, o hotel Ipanema Inn tem quartos pequenos, mas em nada perde para grandes hotéis. A seu favor estão localização, cama confortável e serviço primoroso.

Rio de Janeiro, RJ – Quando você decide ir para algum lugar, o que te faz escolher um hotel? Se localização bate todas as outras categorias, você precisa conhecer o Ipanema Inn em sua próxima visita ao Rio de Janeiro. Com um preço bem mais em conta que os hotéis de rede, a meia quadra do mar (1oom), andando você tem tudo à mão: mercado, farmácia, grifes (Osklen fica na esquina, Hermès a duas quadras, Lenny Niemeyer também). Para viver como se fosse um autêntico carioca da gema.

Conforto é a palavra-chave aqui… As camas em nada perdem para as de grandes hotéis com fama internacional. O quarto é equipado com televisão, escrivaninha com luminária, ar-condicionado, frigobar, guarda-roupa, chuveiro no teto. O chuveiro tem ótima pressão, as toalhas, que printam na etiqueta o nome de uma famosa rede internacional, também são confortabilíssimas, sem contar os amenities, com cheiro de Brasil (daquela linha da Amazônia, da Granado).

Sentimos falta do ferro de passar roupa. Tivemos um compromisso de última hora, mas o concierge conseguiu nos salvar. E isso faz do Ipanema Inn um hotel que parece a casa de amigos. O sorriso no rosto dos atendente, a calma ao tratar os hóspedes, e a tentativa de chamar cada um pelo primeiro nome parece querer aproximar.

Foto: Divulgação

O café da manhã tem cara de Brasil, de Rio de Janeiro, também. São itens de fazenda, ingredientes que lembram cafés da manhã coloniais. Café, leite, ovos (experimente os beneditinos!), tapioca, muitos pães – todos feitos na casa. Aliás, você escolhe os ovos ou a tapioca e logo vêm entregar na mesa. As frutas também, todas fresquinhas e dispostas em uma mesa. Para querer voltar!

Se você quiser avaliar os contras, vamos lá: os quartos não são tão grandes, não tem vista para o mar, mas como explicamos acima: você tem tudo à sua disposição em uma pequena caminhada. O preço da diária também bate os concorrentes da região: cerca de R$ 400 para o casal, dependendo da data você encontra por menos. A 5 minutos de carro, há o shopping Leblon, que você vai encontrar tudo o que precisa (até o que nem imaginava que queria).

Faz parte do Grupo Arpoador, que este ano deve reabrir um hotel de mesmo nome, pé na areia. Ali, a ideia é fazer um hotel mais luxuoso, mas com cara jovem, que abocanhe as gerações X&Y, que gostam de conforto e buscam  – em cidades como o Rio – apenas como ponto para guardar suas coisas e dormir. A maior parte do tempo, esse grupo está gastando dinheiro fora: bons restaurantes, passeios, praia, atividades típicas de um ‘bon vivant’. Os irmãos Daniel e Marcelo Gorin, netos do fundador, o engenheiro Manoel Strosberg, é que estão à frente do hotel.

RESTAURANTE
O Quitéria, localizado no piso térreo, é cheio de memórias afetivas. Do couvert, com pães e biscoito de polvilho caseiros, manteiga orgânica e azeite mineiro, às entradas: mini acarajé, pastel de feira (o de carne desfiada é sensacional), bolinho de arroz com ovo de codorna, croquetes de carne, entre outros.

No principal, há massas, peixes e frutos do mar. O mais pedido entre os principais é a costelinha de porco, purê de baroa e melaço de caju (R$ 53, do clique abaixo).

 

Para acompanhar, peça o drink Doce Balanço, feito com gin brasileiro infusionado com banana, água de coco, xarope de gengibre (R$ 26).

Veja matéria sobre o Quitéria, da época logo que abriu:

Restaurante Quitéria, no RJ, tem cozinha sofisticada e provocante


Fotos: André Aloi/Acervo pessoal / O jornalista ficou hospedado lá a convite do Grupo Arpoador e da assessoria CP&CO.

Posts relacionados