Você já se imaginou, em uma viagem, poder viver em outro lugar, que não seja apenas em um quarto de hotel? Assim é a experiência entregue no Airbnb durante uma viagem para outra cidade, em diferentes partes do globo. O V&G esteve hospedado em Paris, na França, a convite da plataforma de hospedagem e conseguiu entender o foco proposto: viva como um local.

É ótimo acordar em um quarto de hotel, descer para o café da manhã, com um bufê recheado ao seu dispor. Mas é igualmente divertido ir ao mercado, escolher qual vai ser a seleção da sua mesa, e quais os pães e queijos ornam com frutas e sua fome em uma viagem de férias. Sem hora para acordar, você se dispõe a cozinhar, coar o café, esquentar o leite – o suco pode até ser de caixinha, na Europa tem ótimas opções orgânicas – e montar sua programação do dia, sem o corre-corre típico de um dia de férias.

Muita gente ainda não entende como funciona a plataforma. A gente explica: usuários podem oferecer quartos ou casas e apartamentos inteiros para locação para determinado período. É como se fosse um Uber da hospedagem. Você paga uma taxa pelo serviço, que inclui limpeza após a utilização do espaço, e para a diária como se fosse um hotel. Ao invés de um bell boy e uma recepção, o próprio dono é quem vai te receber. O horário de check-in está descrito no ato da reserva, mas – em alguns casos – é mais maleável.

Nosso host em Paris, Florian, nos recebeu rapidamente para um tour no charmoso apartamento de dois quartos (equipada com utensílios de cozinha, decoração moderna em preto e amarelo e um banho de ducha inesquecível, digno de suítes dos mais cobiçados hotéis). Ele entregou as chaves e partiu. Com trocas de mensagens desde o momento do desembarque na estação de trem Paris Nord, ele foi solícito ao dizer como era mais fácil chegar até o apartamento. Em sua página na internet, no Airbnb, ele tinha até dicas do que se fazer na cidade, desde o mercado mais próximo até o tour dos museus, dos jardins, praças e tudo mais.

Em Paris, o foco da nossa experiência era a gastronômica. Cinco dias lá, cinco restaurantes diferentes. Neste meio-tempo, entre uma cozinha cantonesa e a típica francesa, dando uma passadinha num tempero brasileiro, foi possível vivenciar como é se sentir como um cidadão de outro país, andando de metrô, ainda que a barreira da língua tenha sido a único “grande” dificuldade. Mas nada que um inglês fluente não de jeito.

Como a ideia era viver como um local, tiramos um tempo para coisas turísticas, como o Louvre, a Praça da Concórdia, os jardins do Trocadéro, a Torre Eiffel. Mas, como a cidade é plana, dá ainda para desbravar as ruas, avenidas e vielas monumentais a pé ou de bike. Paris é linda para desbravar em qualquer horário. Só escolha a época certa. A temperatura quente desse meio de ano, alto Verão, é insuportável até para quem gosta de calor. Escolha a casa certa e pronto. Bom passeio, boa estada e viva como um típico parisiense.


Fotos: Reprodução/Airbnb

Posts relacionados